Deputados se reúnem com secretário de saúde e debatem ações contra Covid-19

A Assembleia Legislativa do Pará  (Alepa) realizou, nesta terça-feira (26), reunião por meio de videoconferência com o secretário estadual de Saúde, Dr Aberto Beltrame, para debater as ações executadas pelo Governo do Estado no combate ao coronavírus.

Convidado pelos parlamentares estaduais, o secretário apresentou o panorama da situação da pandemia do coronavírus no Estado e explicou questionamentos sobre a compra de equipamentos respiratórios, além das subnotificações dos casos confirmados  e de óbitos no Pará.

Durante a reunião que durou sete horas, ficou decidido que apenas os  líderes partidários se pronunciassem. Portanto, os demais deputados de bancada teriam que encaminhar suas perguntas e contribuições ao líder do partido para que fizesse a exposição das sugestões recebidas.

Entre outros assuntos, os deputados questionaram as principais ações, tais quais a compra de respiradores, ampliação do número de hospitais de campanha, subnotificações de casos e óbitos de pessoas com covid-19, distribuição de medicamentos no interior e protocolos de atendimento.

O deputado e médico cardiologista, Dr Jaques Neves, que também é presidente da Comissão de Saúde do Poder Legislativo, destacou a atuação combatente do Executivo para o momento crucial que exige um conjunto de habilidades.
“É uma missão nada fácil e  de guerra e que  exige  desenvoltura técnica, científica e operacional, mas que o staff da Sespa vem se dedicando. No pico da doença na Região Metropolitana de Belém, a guerra ficou assustadora por muito pranto, morte e dor e o sentimento era de que  estávamos começando a perder a batalha, então fez-se necessário novas estratégias”, observou.

“Essas estratégias foram mais facilitadas pelo maior conhecimento da fisiopatologia, e portanto,  o governo e a  Sespa  entraram  com a policlínica itinerante. Mas é necessário estimular e otimizar a uniformização do tratamento medicamentoso das condutas médicas e os cuidados de enfermagem e fisioterápicos nas regiões deste estado, incluindo a RMB, Baixo Tocantins, Nordeste Paraense, Sul e Sudeste  e Oeste do Pará”,  sugeriu.

Para deputada professora Nilse Pinheiro, a reunião foi produtiva. Por meio de contribuições enviadas ao líder do seu partido Republicanos, o deputado Fábio Freitas, ela  questionou sobre os critérios de atendimento
E o secretário esclareceu que “ o atendimento da policlínica nos interiores  é feito com base nos números de pessoas acometidas pela doença e o número de óbitos”, disse Beltrame.

Os deputados também pediram apoio ao titular da pasta da saúde para reforçar o atendimento no hospital de Tucuruí, já que atende maior demanda da Região dos Lagos. Mas o secretário informou que o hospital atende pacientes com câncer e que por isso não tem como transformá-lo em hospital de portas abertas para atendimento específico para Covid-19.

Em sua explanação sobre o cenário da doença, o secretário afirmou que a curva sobre os casos de Covid  vem  diminuindo  na Região Metropolitana de Belém. Também destacou o atraso das notificações por parte de prefeituras, situação que provocou alteração nas estatísticas.

“Os municípios estavam enviando informações com atrasos e isso implica  na notificação. Os testes rápidos continuam sendo notificados pelas prefeituras e  da mesma forma, é percebido com os óbitos. Em relação a óbitos, até 10 de abril foram 23 óbitos no Pará, quase todos na RMB. Não havia subnotificação ou retardo. A secretaria está buscando dados do sistema de óbitos que não estavam sendo notificados pelos municípios para que que as informações estejam corretas para a população”, explicou Beltrame.

Sobre os respiradores, o secretário informou que atualmente o Pará possui 580 respiradores, distribuídos  em UTIs  em  várias regiões  do Pará e que a empresa fornecedora dos equipamentos está efetuando o pagamento aos cofres do governo, conforme acordo na justiça.

Nos últimos dias o governo do Pará reforçou a Rede Pública de Saúde com novos 130 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em várias regiões do Estado. O trabalho é resultado de ação conjunta  do  governo estadual com o Ministério da Saúde,  garantindo o aumento para 520 a quantidade total de vagas para tratamento de casos graves da doença.

Na avaliação do líder do governo na Casa de Leis, o deputado Francisco Melo (Chicão), a reunião estabelece um diálogo necessário para os deputados que representam várias regiões do Estado e necessitam ser esclarecidos para informarem  melhor a população.

“É importante para a Alepa ter esse diálogo com o governo e junto aos seus secretários, justamente nesse momento trágico, de muitas mortes. O Pará é hoje um dos estados da federação com maior número de contaminação e de morte. É um cenário triste, em que um alto número de vidas estão indo embora rápido. Então, esse diálogo serve para que os deputados passem a conhecer melhor as ações do governo no combate ao coronavírus e também para que o executivo possa ouvir as sugestões dos parlamentares”, disse
“Como os deputados têm influências em suas regiões é importante para eles terem informações, porque dessa forma podem dar explicações mais precisas sobre as ações do governo”, concluiu.

Por Mara Barcellos – AID – Comunicação Social